Faltando apenas três dias para o Grammy, uma crise circunda o ambiente.

De acordo com o TMZ, a ex-CEO do Grammy Deborah Dugan acusou o ex-chefe da cerimônia, Neil Portnow, de violentar uma das artistas e alegou ter sido molestada sexualmente por um executivo durante os seis meses em que permaneceu no cargo. Ela também alegou fraude nas indicações para a cerimônia deste ano.

O fato ocorre uma semana depois de Dugan ser suspensa por má conduta, sob a alegação de ser “abusiva e cometer bullying”.

Em resposta, a Academia disse:


“É curioso a Sra. Dugan não não haver mencionado nada sobre estas graves denúncias até uma semana após uma funcionária fazer acusações legais em relação a sua personalidade.”

Portnow definiu as acusações como “imprecisas, falsas, ultrajantes e terrivelmente prejudiciais”, e afirmou ter sido completamente eximido de culpa por uma investigação já realizada, uma vez que as reclamações foram levadas ao Comitê Executivo do Conselho de Administração da Academia.

Ariana Grande, Demi Lovato, Billie Eilish, Jonas Brothers e Aerosmith estão entre os talentos que se apresentarão no Grammy, que ocorrerá neste domingo, dia 26.